Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
W52-FC Porto ataca mas Joni Brandão resiste de amarelo
Estrada
A W52-FC Porto investiu tudo na nona etapa da Volta a Portugal, vencendo a ligação através de António Carvalho e tendo João Rodrigues no segundo posto. O algarvio dos portistas ganhou um segundo a Joni Brandão (Efapel), empatando na classificação geral, mas o feirense permanece de amarelo, devido ao desempate pelos centésimos que cada um deles fez no prólogo. Ou seja, Joni Brandão e João Rodrigues chegam empatados ao contrarrelógio final da Volta.

Os 133,5 quilómetros, entre Fafe e o santuário da Senhora da Graça, em Mondim de Basto foram palco de uma ofensiva sem precedentes, nesta edição da corrida, por parte da W52-FC Porto. Os “azuis e brancos” lançaram Ricardo Mestre e António Carvalho para o grupo de 11 unidades que constituiu a fuga do dia, com cerca de 10 quilómetros percorridos.

No encadear de montanhas que antecedeu Mondim, Edgar Pinto também atacou, tendo resposta de Henrique Casimiro (Efapel). Frustrada essa tentativa, António Carvalho passou à ofensiva, formando uma frente de corrida com Luís Fernandes (Aviludo-Louletano), que também vinha da fuga inicial.

Joni Brandão ficou, no grupo dos candidatos, com um único colega de equipa, o alentejano Henrique Casimiro, já desgastado por ter ido ao choque na movimentação de Edgar Pinto. Valeu ao camisola amarela o trabalho da Rádio Popular-Boavista, em defesa da geral coletiva e à procura de nova vitória de etapa, e ainda do Sporting-Tavira, tentando também vencer no alto da Senhora da Graça.

Os boavisteiros e Edgar Pinto ainda deram alguns repelões na ascensão para a meta, mas foi Joni Brandão a fazer a movimentação decisiva, já dentro dos dois últimos quilómetros. O comandante da Volta colocou a nu a fragilidade de Gustavo César Veloso (W52-FC Porto), que perdeu irremediavelmente o contacto. Ainda assim, não foi capaz de chegar a António Carvalho nem de “descarregar” João Rodrigues.

António Carvalho triunfou na etapa, após uma fuga épica, com um segundo de vantagem sobre João Rodrigues, que revelou mais força do que Joni Brandão no sprint em alto. O camisola amarela cedeu um segundo para o portista.

Na geral, Joni Brandão mantém-se no topo, agora com o mesmo tempo de João Rodrigues. O desempate faz-se através dos centésimos de segundo de cada um deles no prólogo, 16 para Brandão e 57 para Rodrigues. Gustavo César Veloso já está a 40 segundos do camisola amarela e terá muitas dificuldades para recuperar esse tempo no contrarrelógio que, amanhã, fecha a Volta.

A etapa eliminou da luta pela camisola amarela os outros dois homens que seguiam no top 5 da geral. Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano) não se sentiu bem e desistiu. Henrique Casimiro baqueou na Senhora da Graça, perdendo 2m29s para o vencedor da etapa.

A decisão da Volta a Portugal fica guardada para o contrarrelógio de 19,5 quilómetros, entre Gaia e o Porto. O percurso é atípico para exercícios individuais, não privilegiando os especialistas e tornando muito difícil qualquer prognóstico. O traçado é exigente sob o ponto de vista físico, sobretudo nas subidas da zona ribeirinha de Gaia até ao alto de Santo Ovídeo e da ribeira portuense até à Torres dos Clérigos. Também é complexo em termos técnicos, especialmente na descida de Campanhã até ao Freixo e no empedrado após os Clérigos, numa zona em que os ciclistas também terão de debater-se com os trilhos do elétrico.

Nas restantes classificações, basta a Daniel Mestre (W52-FC Porto) e a Luís Gomes (Rádio Popular-Boavista) terminarem para ganharem as camisolas dos pontos e da montanha, respetivamente. Emanuel Duarte (LA Alumínios-LA Sport) resgatou a camisola da juventude, depois de o portador da mesma, Unai Cuadrado (Equipo Euskadi) ter desistido hoje devido a queda. A Rádio Popular-Boavista mantém-se no topo da geral coletiva.

Classificações completas: Clique Aqui
2019-08-10 - 17:17:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
Assembleia Geral
Documentos 2 novembro 2019
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais