Facebook Youtube IPDJ Comité Olímpico Comité Paralímpico Confederação do Desporto Fundação do Desporto Centro de Alto Rendimento UCI UEC Jogos Santa Casa
Início UVP-FPC Equipa Portugal Estrada BTT BMX Pista Escolas Ciclocrosse Ciclismo para Todos
Filiações 2019
Área do Utilizador
Parceiros Oficiais
Vantagens Filiados
Vantagens Filiados
Calendários
Calendário Nacional FPC
Calendários Regionais
Info. Desportiva
Documentos/Formulários
Formação
Formação
Centros BTT
Documentação
Centros BTT
Regulamentos
Gerais
Estrada
Pista
BTT
BMX
Ciclocrosse
Trial
Escolas de Ciclismo
Ciclismo para Todos
Antidopagem
Arbitragem
Disciplina
Contactos
UVP-FPC
Associações
Organizador Provas
Notícias
 
Joni Brandão faz nova demonstração de força
Estrada
Joni Brandão (Efapel) ganhou hoje a quinta etapa do Grande Prémio Jornal de Notícias Leilosoc, uma cronoescalada de 7,1 quilómetros, entre Santo Tirso e o alto da Senhora da Assunção. A segunda vitória consecutiva levou Joni Brandão ao pódio da geral, que continua encimada por Ricardo Mestre (W52-FC Porto).


Depois de ontem ter triunfado em Valongo, Joni Brandão voltou a mostrar ser, provavelmente, o homem mais forte do pelotão. O corredor da Efapel trepou pela subida tirsense em 14m59s – foi o único a baixar dos 15 minutos -, à média de 28,432 km/h.

A W52-FC Porto defendeu-se de nova investida de Joni Brandão, colocando três homens nos quatro primeiros. Edgar Pinto foi segundo, a 9 segundos, António Carvalho ficou um lugar atrás, a 17 segundos, e Ricardo Mestre foi o quarto da jornada, a 33 segundos do vencedor, o que lhe valeu a manutenção da camisola amarela.

Ricardo Mestre está no topo da geral, com 1m00s de vantagem sobre o segundo, Alejandro Marque (Sporting-Tavira), e sobre o terceiro, Joni Brandão. Os dois corredores que estão diante de Joni Brandão participaram na fuga de oito elementos que, no setor matinal da etapa de sexta-feira, ganhou mais de dois minutos ao pelotão, onde ficou o chefe de fila da Efapel. Se o coletivo de Ovar tivesse reagido mais cedo a essa escapada, a história da corrida seria, neste momento, diferente.

O ordenamento classificativo obriga Joni Brandão a correr contra o prejuízo. “Hoje era cada um por si e limitei-me a dar o meu melhor e a vir no máximo desde o início da subida. Felizmente, consegui o melhor tempo e estou muito contente por isso. Penso que depois desta etapa as diferenças são pequenas, tendo em conta que a última etapa tem mais 180 quilómetros duros. Está tudo em aberto e qualquer um dos primeiros pode ganhar a camisola amarela”, considera o corredor da Efapel.

Os olhos estão todos colocados na sexta e última etapa, a disputar nesta segunda-feira. São 187,2 quilómetros, entre o Porto (Avenida 25 de Abril, 11h50) e o Pavilhão Multiusos de Gondomar (16h30). O percurso tem semelhanças com a derradeira etapa de 2018, cujas subidas permitiram à W52-FC Porto dinamitar o pelotão para ganhar a corrida. Ricardo Mestre sabe que isso dá confiança, mas pode ser uma faca de dois gumes.

“A história do ano passado dá confiança, mas também nos deixa alerta. Sabemos que é uma etapa que dá para atacar e para fazer muitas diferenças. É preciso uma equipa muito forte para controlar a corrida. Nós temos essa equipa, resta saber como saem as coisas”, afirma o primeiro da classificação geral.

À entrada para a última etapa, a W52-FC Porto junta o primeiro lugar por equipas ao individual, Joni Brandão comanda por pontos, Rafael Lourenço (UD Oliveirense/InOutBuild) é o melhor jovem, Paulo Silva (Fortunna/Maia) enverga a camisola dos trepadores e António Barbio (LA Alumínios-LA Sport) é o primeiro na geral das metas volantes.

Classificações completas: Clique Aqui
2019-06-09 - 17:17:00
Partilhar Facebook
« Voltar
 
 
120 Anos FPC
Ciclismo Vai Escola
Inscrições Online
História do Ciclismo
História do Ciclismo
Marcos Históricos
Palmarés das Corridas Portuguesas
Volta a Portugal
PNED
Lojas Oficiais
Redes Sociais
Site desenvolvido por: Cyclop Net - Desenvolvimento de Sites Profissionais